Quer saber mais sobre blockchain? Então você certamente chegou no lugar certo!

  • Qual a relação entre Bitcoin e Blockchain?

O conceito de Blockchain (literalmente, corrente de blocos) foi introduzido em 2008 por Satoshi Nakamoto (pseudônimo utilizado pela pessoa ou pessoas que criaram a moeda virtual bitcoin) e então implementado em 2009 como um dos pilares de sua moeda digital, o Bitcoin.

É um termo que pode parecer vago ou confuso, mas é uma ideia bastante simples e engenhosa. Ela possibilita negociações anônimas, descentralizadas, sem gasto com mediadores pelo sistema peer-to-peer (ponto a ponto), ou seja, de um usuário diretamente ao outro, sem intermediários.

As criptomoedas são moedas que existem apenas no meio digital, e possuir este dinheiro “não real” cria uma nova ideia de propriedade. Você não pode tocá-lo, mas você tem a habilidade de transferir a posse para outra pessoa ao criar um registro numa blockchain, ou seja, você transfere dados ao invés de dinheiro. Cada criptomoeda possui sua blockchain.

  • O que são blocos?

São unidades de informação contendo pelo menos: uma referência ao bloco anterior, uma síntese da transação, um registro da hora e uma prova do trabalho de criação do bloco. Os blocos ficam reunidos em uma corrente que não permite inconsistências. Não há “falsos positivos” no sistema e todas as transações registradas são sempre válidas. O sistema é autorregulado, cada bloco precisa de várias confirmações independentes para ser validado, as equações são difíceis de quebrar e o sistema é seguro. Uma vez que o bloco é criado, não pode ser modificado.

  • Como os blocos são criados?

Os blocos são criados durante a mineração. O que os computadores fazem durante a mineração é basicamente conferir se as transações postadas são legítimas e que os dados estão corretos. Os mineradores coletam informações e colocam estas um bloco e “selam” este bloco aplicando uma fórmula matemática a ele. Esta fórmula transforma a informação contida numa sequência de letras e números chamada de hash.  O hash de cada bloco é gerado utilizando o hash do bloco anterior. A vantagem do hash é que apenas com ele em mãos é praticamente impossível identificar a informação contida, além de serem únicos. Se você alterar um caractere da informação o hash será completamente modificado.

Mas o que é Blockchain?

Ela é um registro público de todas as transações de uma moeda, que são gravadas anonimamente em blocos e compartilhadas com várias pessoas. O mais importante é que uma vez que a informação é inserida, ela não pode ser alterada. O sistema foi o primeiro a resolver o problema da possibilidade de pagamento duplicado sem a necessidade de um servidor central (ao contrário do dinheiro físico, valores eletrônicos podem ser duplicados e gastos duplamente).

Devido à natureza transparente da blockchain, ela não está localizada em um local só, e sim em diversos computadores. Ela é gerenciada por o que chamamos de nodes distribuídos e cada um desses nodes possui uma cópia completa da blockchain. Os nodes estão sempre sincronizando suas cópias com as de outros nodes. Essa grande quantidade de cópias evita que os dados simplesmente desapareçam. É um sistema descentralizado, porém seguro.

A cópia completa da blockchain de uma moeda contém informações de todas as transações já efetuadas. Com estes dados em mãos, pode-se descobrir que quantidade de moeda pertencia a cada carteira em dado momento da história. O fato de cada bloco possuir um hash referente ao bloco anterior cria o efeito “corrente”, ligando cada bloco ao anterior sucessivamente, criando uma ordem cronológica que não pode ser alterada. Esta condição também impede que dados anteriores sejam modificados, pois isto implicaria em alterar todos os dados posteriores a ele, portanto as transações se tornam irreversíveis.

O sistema de criptografia assegura que cada usuário só pode editar as partes da blockchain que lhes pertence, através de chaves privadas utilizadas para modificar o arquivo. Esta condição estabelece identidade, pois ninguém pode editar uma blockchain sem possuir a chave correspondente. Qualquer edição não verificada por estas chaves são rejeitadas. Estas chaves poderiam, assim como bens móveis, serem roubadas, mas algumas linhas de código geralmente podem ser facilmente armazenadas seguramente.

  • Qual é o futuro dessa tecnologia?

Nós já estamos acostumados a compartilhar informações através de uma plataforma descentralizada: a Internet. Mas quando se trata de transferir valores nós sempre somos forçados a usar os burocráticos serviços de instituições financeiras centralizadas como os bancos. Até mesmo serviços de pagamento online como Paypal exigem integração com uma conta bancária ou a posse de cartões de crédito para poderem ser utilizados.

No futuro estes processos poderão funcionar de forma mais fluída e segura, sem intermédio de instituições no processo. A tecnologia de blockchain elimina os intermediários das negociações, que tradicionalmente eram necessários para verificar identidades, registrar e provar que as transferências tinham sido efetuadas. Ela executa essas tarefas tornando de maneira mais eficiente, diminuindo o custo da transferência financeira e tornando as negociações mais transparentes e fáceis de auditar.

Atualmente nove grandes bancos como JP Morgan e Goldman Sachs começaram uma parceria para o desenvolvimento e pesquisa na área de blockchains. Provavelmente haverão muitas inovações neste campo nos próximos anos já blockchain podem alterar drasticamente a forma como faremos negócios e armazenamos dados. Todos os tipos de transações financeiras complicadas como gerenciamento de identidades e contratos internacionais poderão ser gerenciados por este sistema de registro de transações público e seguro.

Esta tecnologia tem potencial de ir muito além, muitas empresas encontrarão novos usos para os blockchains e já estão testando diversas aplicações do sistema. Outro papel interessante, fora dos serviços financeiros é o estabelecimento de contratos. A blockchain também pode ser usada para armazenar qualquer tipo de informação digital a ser utilizada para fins diversos, como registros médicos, códigos de software, documentos de posse.

Por exemplo, poderia regular propriedade digital, controlando quantas vezes um usuário acessa, compartilha ou copia um arquivo. Pode ser usado para criar sistemas de votação à prova de fraudes, distribuição de informação e muito mais. O ponto é que os potenciais usos desta tecnologia são muitos e no futuro o mercado e as indústrias poderão descobrir muitas formas de utilizá-la. E linhas gerais, pode-se dizer que a invenção da blockchain foi mais importante do que a invenção do Bitcoin e que ela pode representar o futuro das transações digitais.

Leia também tudo sobre Mineração de Bitcoin e porque o Bitcoin veio para ficar.

Comentários